FMB e Parceiros promovem o Basquete de base

0-107

Associação Querubins recebeu Minas Tênis Clube para oficina de Basquete
A tarde da última quarta (30/08) foi inesquecível para meninas e meninos da Associação
Querubins. Cerca de 50 crianças, que treinam basquete na entidade, receberam a visita
de atletas profissionais, membros da comissão técnica e jogadores das categorias de
base do Minas Tênis Clube. “Para nós é um momento de troca. Nós utilizamos esse
momento para o crescimento dos nossos atletas, não só no basquete, mas como
pessoas. Então é uma grande oportunidade para nós e também de incentivarmos esses
garotos no esporte.” destacou o técnico do time profissional do Minas, Flávio Aurélio o
“Espiga”.
Já o experiente pivô da equipe, Guilherme Teichmann com passagens pelas principais
equipes do NBB, destacou a felicidade em poder participar dessa tarde com os garotos.
“É uma alegria muito grande, a gente conhecer esses projetos que mudam a vida de
tanta gente, que usam o esporte para disciplinar essas crianças, a trabalhar em equipe,
respeitar os líderes. Nosso grupo inteiro está bastante feliz de estar aqui.”
As aulas de basquete dentro da Associação Querubins são frutos de uma parceria entre
a Federação Mineira de Basketball e o Instituto MRV que acredita no poder da
educação por meio do esporte. Atualmente, cerca de 140 crianças aprendem o esporte
na Associação Querubins.

Associação Querubins e os gigantes
O pequeno Kerlon Luis, de 9 anos e morador da Vila Acaba Mundo não escondeu a sua
admiração com os jogadores do MTC. “Não sabia que eles eram tão grandes! De perto
eles são maiores do que na TV”, afirmou. Desde a chegada da delegação do Minas, era
nítido a satisfação e a alegria das crianças da Associação Querubins.
“Estou vendo eles, mas ainda não estou acreditando!”foi o que afirmou Antony, de 11
anos. Treinando basquete desde o início do ano, o garoto do Morro do Papagaio sonha
em se tornar atleta profissional. “Quero jogar bem, me tornar jogador e ajudar a minha
família através do basquete”.
No começo da oficina, os jogadores e os técnicos se apresentaram e contaram um pouco
de suas experiências, e dos valores importantes para o basquetebol. Depois foi a vez de
colocar os meninos para suar, com treinos físicos e arremessos. Por fim, os atletas do

 

Minas e os garotos da Associação foram misturados e divididos em duas equipes, para
uma divertida disputa de cestas.
A oficina foi comandada pelo Coordenador das Categorias de base do MTC, Prof.Flávio
Davis, que ficou impressionado com a estrutura da Associação Querubins. “Tudo
excelente, acho que tem tudo para a gente fazer com que a coisa cresça e que os
meninos tenham cada vez mais oportunidades. Através do esporte temos que ajudar que
essas crianças tenham um futuro melhor.”, salientou Davis.
A alegria da garotada ainda ficou completa com alimentos e pares de tênis que eles
receberam do Minas Tênis Clube. Além disso, os minastenistas escolheram dois
destaques para receberem camisas do clube, não só pela habilidade com a bola, mas
também destaques no comportamento durante a oficina. Os felizardos foram Juliene e
Arthur. “Eu aprendi que no basquete o importante é o grupo. Perde todo mundo e
ganha todo mundo”, explicou Arthur, de 9 anos.
A oficina foi encerrada com o Prof. Flávio Davis convidando os alunos e alunas da
Associação Querubins para no final do ano participarem da festa de Natal que todos os
anos o Minas Tênis Clube oferece aos seus atletas. É mais uma vez o esporte
proporcionando esta integração.
O Projeto Basquetebol Social
Desde março de 2016, Instituto MRV e FMB atuam em prol do desenvolvimento de
crianças carentes de Belo Horizonte. A iniciativa, denominada projeto Basquetebol
Social, oferece, duas vezes por semana, aulas que promovem a iniciação esportiva aos
jovens da Associação Querubins e do Espaço Criança Esperança de Belo Horizonte
(ECE-BH)
Instituto MRV
Fundado em dezembro de 2014 pela MRV Engenharia, o Instituto MRV é uma
organização sem fins lucrativos, responsável pelo gerenciamento de iniciativas de
responsabilidade social. Sua missão é promover a transformação social do nosso país
por meio da educação, principal alicerce para o desenvolvimento de uma nação,
preparando cidadãos para a vida e formando os realizadores do futuro.
Associação Querubins
A Associação Querubins é uma entidade social, sem fins lucrativos, que atende cerca de
250 crianças e jovens da Vila Acaba Mundo e Aglomerado Santa Lúcia. A instituição
oferece atividades artísticas, esportivas e pedagógicas gratuitas, com custos que ficam a
cargo de projetos de incentivo fiscais, nos âmbitos municipal, estadual e federal, fundos
de apoio à infância e adolescência, editais diversos e doações espontâneas. Ao pé da
Serra do Curral, em espaço de 10.000 m2 cedido pela Mineração Lagoa Seca do Grupo
Unitas, na Rua Correias 700, a Associação conta com sete salas de aula, sala de dança,
sala multimeios, ginásio poliesportivo, cozinha-escola, laboratório de informática,

biblioteca, horta orgânica e um estúdio de gravação — em fase de conclusão. É nesse
espaço que são oferecidas oficinas de Danças Urbanas, Dança Afro, Dança
Contemporânea, Circo, Artes Visuais, Percussão, Construção de instrumentos, vídeo e
cinema, além das oficinas de apoio escolar, cultivo de horta orgânica e jardinagem,
esportes, informática, curso de culinária para crianças e capacitação profissional para
adultos (gastronomia e hospitalidade).
Espaço Criança Esperança de Belo Horizonte (ECE-BH)
É um projeto de ação social voltado para crianças, adolescentes, jovens e suas famílias
que moram no Aglomerado da Serra, região centro-sul da capital mineira, e vivem em
situações de exclusão social. Realizado pela Rede Globo em parceria com a Unesco e
tendo como parceiros locais a PUC Minas e a Prefeitura Municipal de Belo Horizonte, o
Espaço Criança Esperança de
Belo Horizonte atua desde 2003 no Aglomerado da Serra, como um espaço de
referência na formação de educação e protagonismo para moradores do local.
Atendendo a crianças, adolescentes e jovens com idades entre 06 e 24 anos, o ECE-BH
tem como principal objetivo contribuir para a formação humana de seus educandos,
promovendo a inclusão social, o protagonismo juvenil e, principalmente, uma educação
conscientizadora. O trabalho realizado no ECE-BH busca também o desenvolvimento
humano nas dimensões escolares, familiares, comunitárias e da saúde, além da educação
para o mundo do trabalho e do lazer. Atualmente o Espaço Criança Esperança de Belo
Horizonte atende a aproximadamente 1.000 crianças, adolescentes e jovens e realiza
cerca de 9.000 atendimentos mensais em oficinas esportivas, culturais e educacionais.

Deixe seu comentário: